--------------------------------------------------

IMPOSTRÊMETRO

terça-feira, 10 de março de 2015

ASSÉDIO MORAL = TORTURA PSICOLÓGICA


Próximo Texto | Índice

Luana Fischer
Margarete, 40, vendedora, começou a tomar antidepressivos para aguentar as humilhações que sofre no trabalho. Agora quer processar a empresa


TORTURA PSICOLÓGICA
Golpear a auto-estima de funcionários torna-se estratégia para afastá-los
Assédio moral apressa demissãoLUCIANO GRÜDTNER BURATTO
FREE-LANCE PARA A FOLHA 

Foi-se o tempo do chefe grosseiro. Hoje o mercado oferece uma variedade de métodos mais sutis para quem quer demonstrar poder ou apressar o pedido de demissão de algum funcionário.
Escolhido o alvo, basta seguir a cartilha: sobrecarregá-lo de tarefas inúteis, sonegar-lhe informações e fingir que não o vê. Logo os colegas voltam-se contra a vítima. Isolada, sente-se incompetente. Só lhe resta pedir as contas.
O "método" tem nome -assédio moral-, e a destruição não se restringe ao âmbito profissional: mina a saúde física e mental da vítima, corroendo sua auto-estima.
O problema é mundial. Pesquisa de 1996 da OIT (Organização Internacional do Trabalho) diz que cerca de 8% dos trabalhadores da União Européia, 12 milhões de pessoas, sofrem desse drama.
Na Suécia, onde o assédio é reconhecido desde 1993, estima-se que ele atinja 9% dos trabalhadores. Na França, um caso de suicídio foi admitido como acidente de trabalho, resultado de pressão moral sofrida pelo trabalhador.
No Brasil, o tema é pouco discutido, mas os números também assustam. Estudo feito com 97 empresas de São Paulo (setores químico, plástico e cosmético) mostra que, dos 2.072 entrevistados, 870 deles (42%) apresentam histórias de humilhação no trabalho.
Segundo o estudo, realizado pela médica Margarida Barreto, pesquisadora da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), as mulheres são as maiores vítimas -65% das entrevistadas têm histórias de humilhação, contra 29% dos homens.
O medo é grande. A maioria dos entrevistados não quis se identificar e está recebendo nesta reportagem um nome fictício.

FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/empregos/ce0107200101.htm



Próximo Texto: Seleção de superiores não prioriza histórico 
Índice

Nenhum comentário:

Postar um comentário